13 Oct 2008

pieces

Está arrependido, dizem-lhe.
Asseguram-lhe.
Ela sorri perante o quadro de o ver arrependido do que quer que seja.
Congratula-se com o sentimento “nem que o arrependimento matasse”.
Interroga-se sobre como será que o expressa.
Será que tudo ainda desabona?
Tudo desconsidera?
E continua “tolo” como se afirmava? Como só os rapazes sabem ser, costumava dizer, esquecendo-se que de rapaz já pouco tinha.

Está arrependido, escrevem-lhe. Tentando quiçá provocar algo mais do que um sorriso.
Um sorriso igual aquele que lhe provocou a mensagem “não vos mereço” .. mais que um sorriso, uma atitude.
Uma tomada de atitude.
Uma iniciativa. Daquelas que ele tanto apreciava, esperava.
Está arrependido, afiançam-lhe.
E ela sorri.
Exasperadamente calma.
Sem nostalgia de tempos idos e sem vontade de outro algo que não seja sorrir.
Porque é só o que lhe merece.
Um sorriso.