6 Nov 2008

do interesse (ii) .. ou do desinteresse (iv) .. (?)

E feliz é? É feliz a sua filha?
Perguntou, interrompendo a saraivada de prémios e galardões que enchiam a boca daquela progenitora neurótica que em dez minutos olhou trinta vezes para o relógio de pulso enquanto falava sem parar das conquistas da filha na natação e na ginástica, o lugar do ranking nacional e do regional e até no outro de quem nunca ninguém tinha ouvido falar, a quantidade de medalhas que já tinha e agora o desplante em querer “coitada! Está doida!” abandonar uma das actividades. E logo a natação, imagine-se.. diz que tem pouco tempo para outras coisas .. que coisas?! Ah e o cansaço que isso lhe exigia a ela mãe, obviamente, sim a ela mãe que só Deus sabia o que lhe custava andar sempre de um lado para o outro, veste, despe, arranca e estaciona.

Falava alarvemente enquanto pulava de um tacão de bota para o outro, apoiada nos calcanhares, cena que sempre me surpreende quando a observo, verdadeiro trabalho de trapezista, equilibrista, enfim .. a entoação da voz em tom alto era acompanhada por um tique de cabeça que fazia balançar perigosamente o carrapito espetado no cimo da cabeça, pouco cabelo para tal penteado, pensei, e logo agora que as extensões naturais deixaram de permitir tais figuras .. assustou-me o Mas! dito uns decibéis acima do suportável, alguns pais, desafiando a autoridade da oradora, permitiam-se sussurrar outros assuntos, imagine-se a leviandade.
Aquele providencial MAS, leve afectação no s que me soou a qualquer coisa sibilante e viscosa, teve o condão de sossegar murmúrios.
Mas .. reforçou rolando os olhos para provocar na audiência aquele efeito que os tribunos são ensinados a provocar para .. (sei lá para quê) Mas .. voltou a proferir de sorriso lunático na boca pequena de dentes tortos, o facto é que a minha Quica está no vigésimo lugar do Ranking. Invejável o número, não acham? exclama orgulhosa de a pequena Quica ter provavelmente chegado onde ela nunca chegou.. ou chegará.

E feliz é? ouviu-se ao fundo do grupo, a voz clara de uma mãe, cigarro na mão, convenientemente afastada da mesura, .. é feliz a sua filha?