13 Nov 2008

intimism (xv)

Atraca pela última vez em Lisboa o Queen Elizabeth.
Portentoso, imponente entra o porto ladeado de pequenos barcos, quais pajens respeitosos a um distância cerimoniosa. Alinham-se os cadetes abrem ala ao capitão. Fardas brancas imaculadas brilham no sol de inverno, baixo, luminoso.
Atraca pela ultima vez em Lisboa o Queen Elizabeth e de repente, “não mais que de repente” voa-me a memória para o tabuleiro pintado à mão com figuras da família Real, minha Avó, e as histórias que me contavas detalhadas sobre a vida de cada um. Salta-me de repente a memória para as fotografias onde a farda branca imaculada daquele tio na Royal Navy está já amarelecida, não tão imaculada. Vai-se o pensamento para o “yes dear ..” com que começavas os relatos da família que é a minha.
Vai-se a memória para junto de ti no abraço apertado que ainda sinto a cada chegada .. a cada partida.
Atraca pela última vez em Lisboa um pedaço da tua história Avó, “ours, my dear .. ours” e estou certa que gostarias de o saber.