12 Jan 2009

vidas (vii)


Disseram-lhe para seguir. Sempre em frente. Sem nunca largar a pequena trouxa que tem tudo o que de precioso tem no mundo. A mãe despediu-se com um abraço, sente o sabor da lágrima salgada que lhe caiu dos olhos e lhe molhou a cara. Não percebeu porque tinha de partir. De seguir. Sempre em frente. Há outros como ela. Pequenos como ela. Os maiores nem lhes vê a cara, mas a mãe também lhe disse, não olhes para ninguém. Sempre em frente. Pesa a trouxa na cabeça e a boca ressente-se da falta de água. Ajeita a tábua, pesada para a sua pouca idade e segue. Sempre em frente. Em frente.
Ninguém .. nem ela sabe .. para onde.

(fotografia de José Price Castiço – Marrocos)