10 Feb 2009

Ridículo?

Mummy tens a certeza que queres esperar pela reportagem? pergunta-me da sala.
Eu queria. Era uma reportagem especial sobre o Liceu Marquês de Pombal, e pelo que recentemente sabia nunca um centenário fora tão desrespeitado. Queria ouvir aqueles alunos que batem nos professores e nos auxiliares, estes últimos em número mais que diminuto para as centenas de alunos que frequentam o local. Queria ver-lhes os olhos, aperceber-me se realmente se dão por vencedores aqueles que usam a força, que incendeiam os carros, que destroem o equipamento.
Queria ler nas entrelinhas e nas hesitações o quanto são miúdos sem futuro, em que a última oportunidade é aquele diploma de 9º ano sem que em nada acrescente ao saber, que descuram, à aprendizagem pela qual não se interessam, ao respeito pelo professor que não têm, ao estudado “no care” com que encaram o futuro.
Queria.

Mas é certo que ninguém aguenta mais de dois minutos a olhar um écran de televisão com um homenzinho de olhos verdes a falar de vacas, da alimentação das vacas, do leite das vacas.
Mas ele não é treinador Mãe? Está a falar de quê então?!
Expliquei-lhe a metáfora que a irritou.
Deveras.
É engraçado analisar o impacto que se pretende através dos olhos e da mente de uma criança de 11 anos. Talvez quem publicamente fala devesse começar por aí para finalmente começar a fazer sentido.
A avaliação da princesa em direcção ao quarto, numa atitude de desistência foi: ridículo! ora aí está algo que não preocupa os nossos falantes: o ridículo.

(e vi a reportagem. E choquei-me de novo e outra vez.)