5 Mar 2009

saudade


Vôvô Tsongonhana, (significa Avô Pequenino) relata a história de um menino abandonado, reflexo das sociedades actuais, que foi acolhido por um velhote que fazia peças de artesanato. A criança foi crescendo e aprendendo com ele, até decidir ele próprio conhecer o mundo de outra forma. “
Sinto uma grande necessidade de mexer com as palavras e escrever” confessa-nos Augusto Carlos, escritório moçambicano deste livro que, intercalado com o de leitura obrigatória e, desconfio, superando-o em interesse, tem feito as delícias dos serões da princesa.
Ontem lia-me em voz alta, exercício de que ambas gostamos, as frases mais marcantes do capítulo “.. todos os meninos gostavam do vôvô tsongonhana, aliás posso dizer-vos que era um daqueles avôs que todos os meninos têm o direito de ter.”

Fez uma pausa a narradora.
Olhou-me séria e adivinhei-lhe uma lágrima nos olhos límpidos.
Mummy .. ? sim querida.
Tenho saudades dos meus avós.
Eu sei, querida.
(também eu, pensei, enquanto controlo o nó na garganta e a abraço. tantas.)