16 Apr 2009

intimism (xxxviii)

Não quero crescer nem amargar
diz-me a Margarida senhora de uma escrita tão depressa humorada e inconsequente como profunda e cheia de uma melancolia que me faz questionar .. de onde lhe virá.

Crescer nem amargar.
Ficou-me a frase. E o sentido.

Engraçado como dou por mim na azáfama do final de dia, tenho para mim a teoria que é no final do dia que começa o meu verdadeiro trabalho, e a vontade incontrolável de ser mais de uma, mais de duas, a princesa e um dos sobrinhos para ir buscar aos respectivos ATL e Colégio, passar na lavandaria porque embirrei que o casaco que lá está há um ror de tempo tem de ser vestido amanhã, fica a matar com a calça castanho-terra, que fazer? Imaginando pelo caminho que colocar no forno para o jantar, não me dizem? esqueci-me de descongelar o que quer que fosse, coisa que há algum tempo atrás, há mais de um ano diga-se à laia de adenda, servia de risota para me acusarem de querer ir jantar fora.

E stop!
Foi precisamente aqui que parei.
Há um ano. De um outro ano atrás desse.
E de novo o não crescer nem amargar que me ficou colado à pele.

Cresci? Sem dúvida. Perdi alguma coisa? Certamente que sim. Sofri na altura? Imenso.
Perdi a esperança? Jamais.

Amarguei, lembro-me que amarguei e talvez para meu espanto e vergonha tenha inclusive, confesso, chegado ao ponto de cultivar essa amargura, imaginem.
Se entristeci e me tornei pior pessoa?
Continuo a acreditar que poucos terão essa capacidade. De tornar alguém naquilo em que esse alguém não se quer tornar.
Sem tristezas? Não.
Sem que a amargura do momento dê lugar à Tristeza? Sem dúvida.
Porque quando lhe vestimos a pele, aquela pele seca, velha, sem brilho e sem esperança, que sufoca e não respira vamos precisar de uma ajuda hercúlea para a conseguir despir.

Não crescer nem amargar. Ou crescer sem amargar. Tentar não amargar.
Ainda que por vezes possamos entristecer. Permitindo-nos entristecer.

Porque caso contrário a nossa vida viraria um inferno. E é excessivamente curta para isso.
A nossa, a de quem amamos, a de quem nos ama.