2 Feb 2010

_
Estou cansada.
Cansada de segurar a porta do elevador e dizer bom dia sorridente a quem lá vem dentro sem obter resposta ou sorriso equivalente. Cansada de esperar que passem todos, os mais velhos e os mais novos na passadeira sem acelerar, derrapar, guinchar pneus, como vejo fazer imediatamente atrás de mim. Cansada de ser correcta e educada, ensinar a filha a ser correcta e educada para depois ser ridicularizada por uma professora que coitada, é só a directora de turma. Só. Sem qualquer responsabilidade acrescida portanto, numa altura em que para pessoas como a dita senhora ser professora é .. (algo que a própria ainda não descobriu). Cansada de cumprimentar, agradecer, pedir por favor. Facilitar, ceder. A sério. Nos tempos que correm mais rápidos que o que se consegue viver penso ser algo obsoleto, perfeitamente antiquado e objecto daquele irritante sorrisinho condescendente que alguns imitam tão bem, a cordialidade, a urbanidade e acima de tudo, a educação. Aquela real. A de berço.
Estou cansada de me ver envolvida em questões de consciência. Mesmo. Acho aliás que uma das resoluções deste ano redondo será mandar a minha querida e estimada consciência às urtigas. Assim mesmo. Sem apelo nem agravo. Porque diabo tenho eu de me consumir em assumir a postura mais correcta, ponderada, serena e pensada se ao meu lado as pessoas atiram-se para o chão e fazem uma birra digna de criancinha de 3 anos porque perderam o lugar de estacionamento x no meio de centenas de outros disponíveis? Não me explicam? Porque razão tenho eu de me esforçar em considerar todos os ponderandos e considerandos da minha pobre existência quando vejo outros, com responsabilidades maiores que o verbo a dizerem hoje o que juram a pés juntos não disseram, amanhã.
Portanto.
Assumo que estou cansada.
E sei que isto não é nada bom. Nada bom, mesmo.
_